quarta-feira, 8 de outubro de 2014

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DOWNLOAD: Litofácies, Ambientes Deposicionais e Ciclicidade do Grupo Paranoá: Exemplo da região da Serra de São Domingos, nos municípios de Buritis e Formoso, MG - Icília de Lima Feitosa


Titulo: Litofácies, Ambientes Deposicionais e Ciclicidade do Grupo Paranoá: Exemplo da região da Serra de São Domingos, nos municípios de Buritis e Formoso, MG - Icília de Lima Feitosa  

Autora: Icília de Lima Feitosa
Orientador: Carlos José Souza de Alvarenga
Co-orientadora: Caroline Thaís Martinho
Comissão Examinadora: Carlos Emanuel Sousa Cruz (Petra)
Edi Guimarães (UnB)
Lucieth  Cruz Vieira (Suplente)


RESUMO

Na Serra de São Domingos (SSD) está exposta uma sucessão de mais de 1.000 metros, de rochas dominantemente siliciclásticas com intervalos carbonáticos na base e no topo, pertencentes ao Grupo Paranoá de idade Mesoproterozóica. A SSD inclui camadas com mergulho de 200 a 500 para oeste que se estendem entre Arinos (MG) e Alvorada do Norte (GO). Levantamentos estratigráficos na escala de 1:300 foram realizados ao longo de dois córregos que cruzam perpendicularmente a serra, expondo afloramentos contínuos e correlatos onde foi realizado um estudo faciológico, com caracterização de processos sedimentares e ambientes deposicionais. Foram reconhecidas 12 litofácies individualizadas e caracterizadas nas seções estudadas por: De (dolomito com estromatólitos), Dl (dolomito laminado), AFl (arenito fino laminado), AFm (arenito fino com marcas onduladas de onda e corrente), AFh (arenito fino com estratificação cruzada hummocky), AMc1 (arenito médio com estratificações cruzadas unidirecionais), AMc2 (arenito médio com estratificações cruzadas bidirecionais e/ou multidirecionais), AMe (arenito médio estratificado), AMs (arenito médio com geometria sigmoidal), Cp (conglomerado com estratificação planar), Pl (pelito laminado) e PAht (pelito e arenito com laminação heterolítica). A partir da descrição e interpretação dessas litofácies foram reconhecidas quatro associações faciológicas, sendo identificadas por AF-I caracterizada pelas litofácies AFl, Pl, AFh, Dl e De interpretada como de subsistema de zona de plataforma (offshore intermediária-distal); AF-II caracterizada pela associação de litofácies AFm, AFl,  AFh e Pl e interpretada como de subsistema de zona de plataforma (offshore proximal) com combinação de atividade de onda e maré com componente variável de tempestade. Ambas associações de fácies, AF-I e AF-II, são típicas de sistema deposicional de plataforma marinha mista carbonática-siliciclástica. AF-III caracterizada por AMc1, AMc2, AMs, AMe e Cp interpretada como de subsistema de inframaré; e AF-IV caracterizada pelas litofácies PAht e AFm interpretada como de subsistema de intermaré. Ambas associações de fácies, AF-III e AF-IV, são típicas de sistema deposicional costeiro de planície de maré. A partir dos sistemas deposicionais foram delimitadas 3 sucessões estratigráficas e com base no empilhamento das fácies foram identificados 19 ciclos sedimentológicos, com padrão de granodecrescência ascendente, granocrescência ascendente e agradacional evidenciando a mudança da profundidade da lâmina d’água do ambiente deposicional.

Palavras-chave: Grupo Paranoá, Serra de São Domingos, faciologia, Neoproterozóico, sucessão mista carbonático – siliciclástico.


Nenhum comentário:

WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL EM MANAUS - Prof. Elias Santos Junior

Em tempos de crise como a que estamos vivenciando nos últimos anos fica extremamente evidente que é necessário se reinventar, adquirir...