terça-feira, 26 de abril de 2011

Três anos do Blog do Professor Elias Santos Junior

Essa semana, mais precisamente dia 30 de abril de 2011 este espaço completa três anos de existência...

Um blog que nasceu do anseio por um espaço para postar o que eu lia e achava relevante, postar material que eu recebia por email e principalmente como valvula de escape para aquilo que eu vejo acontecer na área ambiental, geológica e geográfica e sinto vontade de emitir opinião.

Nesse intevalo varias vezes passei muito tempo sem postar. por que? porque nao via a reciprocidade dos leitores, por não ver o empenho dos colegas profissionais em discutir algo, parece que apenas vivem suas vidas, ou vegetam, sei lá...

Depois de um tempo conheci blogs que me inspiraram como por exemplo o Geocrusoe, o Blog do Leonam, Tecnopeg, entre outros. E foram essas leituras que me fizeram e fazem continuar passando por aqui todo dia para ler os recados e ver os diferentes lugares onde sou lido...fico feliz de saber que sou bastante lido em Portugal, E.U.A. e Africa, obrigado a voces!

Este espaço despretencioso ja me proporcionou gratas surpresas, ja recebi emails de pessoas que nunca imaginei conhecer, e isso para um Geólogo perdido no meio da floresta amazônica é deveras importante.

Já proporcionou decepções tambem, lembro do comentário de um Professor que banalizou o blog, mas depois refleti e percebi que não posso levar em consideração o que diz um profissional que usa apenas a internet para falar do Flamengo (mesmo eu sendo flamenguista). Lembro de ter entrado em uma sala apos a aula de uma professora e ver que na lista de blogs que ela indicou (ate pouco tempo atras ela achava que blogs nao deveriam ser utilizados como fonte) nao estava este aqui...paciência.

As vezes revejo postagens antigas e me pego pensando em que condições escrevi, chorei outro dia ao ler o post do nascimento do meu filho, horas depois dele ter nascido (aqui), ri muito ao ler esse outro (3 mães maravilhosas), me inspiro lendo esse aqui (Viver mais devagar), é isso...

Obrigado pela visitas e vamos à luta! Agradeço a todos que passam por aqui e fazem eu me sentir um Geólogo do Mundo e nao mais apenas um cara perdido no meio da floresta.

Saudações Geólogicas
Professor Elias Santos Junior
Manaus - Amazônia - Brasil

sexta-feira, 22 de abril de 2011

NOTICIA PETROLEO: Pressão no fundo da Terra pode gerar petróleo de origem mineral

Um modelo de computador sugere que as pressões e temperaturas nas profundezas da Terra podem criar longas cadeias de hidrocarbonetos a partir de moléculas de metano. Hidrocarbonetos são os componentes do petróleo e do gás natural.
Geólogos acreditam que praticamente todos os hidrocarbonetos do petróleo extraído comercialmente vêm da decomposição de seres vivos soterrados sob camadas de sedimento na crosta terrestre.
Mas hidrocarbonetos gerados por meio de reações químicas nos minerais do manto ou das profundezas da crosta podem ocorrer em algumas circunstâncias, como fendas e zonas de subdução, disse, por meio de nota, Giulia Galli, professora de Química e Física da Universidade da Califórnia, Davis.
"Nossa simulação msotra que moléculas de metano podem se combinar para formar moléculas maiores de hidrocarbonetos quando expostas às temperaturas e pressões do manto superior", disse ela, referindo-se à camada terrestre que existe por baixo da crosta.
"Não afirmamos que os hidrocarbonetos superiores realmente ocorrem nas condições reais do manto, mas as pressões e temperaturas estão certas", acrescentou.
Ela e sua equipe usaram computadores para simular o comportamento de átomos de carbono e hidrogênio a uma profundidade de 60 km a 140 km.

Os pesquisadores determinaram que hidrocarbonetos com vários átomos de carbono podem se formar a partir do metano - que tem um carbono e quatro átomos de hidrogênio - em temperaturas da ordem de 1.200º C e pressões de 50.000 atmosferas, condições encontradas a cerca de 100 km de profundidade.

A pesquisa não avaliou a possibilidade de os hidrocarbonetos formados dessa forma migrarem para mais perto da superfície e acabar em jazidas exploráveis de combustível.
IG - Ciência - 18/04/2011 extraído de Geofísica Brasil
_______________________
A Teoria da Origem Orgânica do Petróleo é a que predomina hoje, porem não é descartada a origem inorgânica, esse estudo põe um pouco de luz nessa questão, aguardamos mais resultados!
Saudações Geológicas e feliz páscoa a todos!
PROFESSOR ELIAS SANTOS JUNIOR
Manaus – Amazonas - Brasil

 

terça-feira, 19 de abril de 2011

NOTICIA PETRÓLEO; Sem pré-sal, próxima licitação para exploração de petróleo deve ocorrer até outubro

Rio de Janeiro - A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estima promover a 11ª rodada de licitação de blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural entre o final de setembro e o início de outubro, três anos após a décima rodada. A informação foi dada nesta terça-feira (19) pela diretora da ANP Magda Chambriard.

Segundo a diretora, a agência já entregou o portfólio de blocos que poderão participar da rodada ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que vai decidir, na reunião marcada para o dia 28, quantos blocos serão leiloados e a data definitiva do certame. Magda Chambriard adiantou que a maioria dos blocos está localizada na parte equatorial das bacias sedimentares do país, entre o Amapá e o Rio Grande do Norte. “São blocos localizados no pós-sal, em águas rasas até 400 metros de lâmina d’água e, também, em águas profundas. A perspectiva é que, na região nos blocos licitados, predominem óleo leve de maior valor comercial e gás natural”.

A avaliação da diretora tem como parâmetro um poço já furado na região, na década de 1970 [Pará Submarino 11], que produziu durante seis meses óleo de alto valor comercial. “É um óleo excelente, superleve. A margem equatorial apresenta indícios de petróleo leve e gás”.

Com relação á exploração do pré-sal, a diretora da ANP avaliou que dificilmente haverá, ainda este ano, qualquer tipo de licitação para a área da Bacia de Santos, que já acontecerá sob o novo regime de partilha que passou a vigorar no país. “Nós vamos ficar na dependência do projeto de lei que define os royalties. Eu acredito que, em função deste complicador, a gente só possa licitar no pré-sal no ano que vem. A não se que aconteça um rito de urgência urgentíssima, o que eu, particularmente, não acredito”.
 Fonte: Jornal do Brasil 19/04/2011

quinta-feira, 14 de abril de 2011

PICICA - blog do Rogelio Casado: Bióloga critica o projeto do Fun Park para a Copa 2014 e apela por uma mudança de lugar

 Antiga torre da Embratel (Mirante Encontro das Águas ou Fun Park da COPA 2014)

A bióloga Elisa Wandelli, integrante do movimento socioambienal 'SOS ENCONTRO DAS ÁGUAS', critica o local escolhido para a construção do denominado FUN PARK, às margens do Encontro das Águas. Saiba por quê."
_______________
Falta de respeito total com o maior patrimônio ambiental da cidade de Manaus e um dos cartões postais da Amazônia.
Até quando veremos isso?

Professor Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

NOTICIA PETRÓLEO: Aquisição sísmica 3D na Bacia de Orange, Namíbia

Rio de Janeiro, 11 de abril de 2011 - A HRT Participações em Petróleo S.A. (a “Companhia” ou “HRT”)(BM&FBOVESPA: HRTP3), informa que deu início aos trabalhos de aquisição de 1.232 km² de sísmica 3D no bloco offshore 2813A operado pela HRT na Bacia de Orange, de acordo com imagem em anexo. A condução desta pesquisa sísmica está sendo feita pelo navio Samur, da Polarcus Limited, concomitantemente com a campanha de aquisição de 1.428 km² nos blocos adjacentes e offshore 2713A e 2713B operados pela UNX. Com a aliança estratégica entre HRT e UNX, a fusão das campanhas representará um adicional de 2.660 km² de sísmica 3D a ser feita por um segundo navio neste mesmo período no Atlântico Sul.

A importância desta aquisição sísmica com tecnologia 3D se dá na medida em que permite uma visualização em detalhe tanto da sequência rifte quanto da drifte. Tal feito é crítico para o amadurecimento dos prospectos e leads ao estágio de perfuração. Este programa antecipa, de maneira significativa, o compromisso exploratório mínimo de 500 km² de sísmica 3D prevista para maio de 2014 no bloco onde a HRT detém 40% de participação exploratória.

Sobre o Bloco 2813A
O bloco 2813A é parte de uma Licença de Exploração de Petróleo – LEP (Petroleum Exploration License) mais ampla que inclui os Blocos contíguos 2814B e 2914A, e abrange uma área de 15.382 km² (3.800.960acres), localizados imediatamente a oeste do campo de Kudu, com lâminas d’água (LDA) entre 1.500 a 2.500 m em uma região conhecida do ponto de vista geológico como Bacia Sedimentar de Orange.

Clique aqui para acessar a íntegra do comunicado ao mercado.


Sobre a HRTGrupo HRT é composto por uma das maiores empresas independentes de exploração e produção de óleo e gás natural do Brasil. A HRT Participações possui três principais subsidiárias: a IPEX (Integrated Petroleum Expertise Company Serviços em Petróleo Ltda.), a HRT O&G Exploração e Produção de Petróleo Ltda. e a HRT Netherlands B.V. A Companhia detém 55% de participação em 21 blocos exploratórios localizados na Bacia do Solimões. A HRT também é operadora de cinco blocos exploratórios na costa da Namíbia, em dois deles, na Sub-Bacia de Walvis, com 100% de participação e nos três restantes, na Sub-Bacia de Orange, 40%. A HRT possui uma equipe composta por doutores e mestres em geologia, geoquímica, geofísica, biologia e engenharia, sendo a maioria deles ex-funcionários da Petrobras e da ANP. A HRT está comprometida em minimizar os possíveis impactos ambientais nos locais onde atua. O compromisso com as comunidades locais passa pela redução dos impactos das operações nas condições de saúde, segurança e qualidade de vida. Para mais informações acesse o site: www.hrt.com.br/ri
_____________________________
Comentario:

Excelente noticia, as novas fronteiras do petróleo abrem a expectativa de novos postos de trabalho, esperamos que a empresa tenha sucesso nessa empreitada.

Saudações Geológicas

Geólogo Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

sábado, 9 de abril de 2011

NOTICIA AMBIENTE: Poda sustentável na Amazônia pode gerar milhões de dólares ao Brasil


A poda sustentável de árvores na Amazônia brasileira para a extração de madeira pode gerar ao país receita anual de US$ 6 bilhões e 170 mil empregos, segundo um estudo encomendado pelo Governo.

O chamado manejo florestal sustentável, além de garantir a preservação a longo prazo do maior pulmão vegetal do mundo, e de gerar renda e emprego para os habitantes da Amazônia, pode se transformar em uma atividade econômica de utilidade para o Brasil, segundo o estudo encomendado pelo Ministério da Fazenda.

Apesar de o relatório não ter sido publicado, suas conclusões foram citadas em Belém pelo diretor do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Antônio Carlos Hummel, para defender a rapidez na concessão de áreas da selva a madeireiros interessados em explorá-las de forma sustentável e combater a devastação sem controle.

"A principal conclusão do estudo é que a atividade que mais pode gerar renda e emprego na Amazônia e ao mesmo tempo manter a floresta de pé é o manejo florestal da madeira", disse Hummel à Agência Efe.

O estudo também identificou como atividade rentável o manejo de produtos como a castanha do Pará, o açaí e a borracha, "que podem gerar 500 mil empregos", acrescentou.

A renda calculada de US$ 6 bilhões anuais é mais que o dobro dos R$ 3,9 bilhões (US$ 2,4 bilhões) que o país obteve pela poda em áreas selváticas em 2009, quando o Brasil produziu 15,3 milhões de metros cúbicos de madeira na Amazônia.

Segundo números oficiais, dos cerca de US$ 8,58 bilhões que o Brasil recebeu em 2009 por atividades florestais, 66,4% tiveram origem na silvicultura (principalmente a exploração de florestas cultivadas para a produção de papel) e 28,6% vieram da poda de madeira nas selvas nativas.

A concessão de áreas da floresta para o manejo florestal foi regulamentada em 2006, mas é agora que começa sua caminhada.

A única área concedida e em exploração é a Floresta Nacional do Jamari (96.540 hectares), mas o SFB já adjudicou a floresta de Saracá (48.857 hectares), lançou a licitação para ceder a de Amará (210.161 hectares) e estudou outras seis áreas com um total de 1,1 milhão de hectares.

"Nosso objetivo é fechar este ano com um milhão de hectares concedidos e ter até 2025 dez milhões de hectares operados por concessionárias", indicou Hummel.

O diretor do SFB explicou que o Governo pode conceder dez milhões de hectares de floresta, outros dez milhões de hectares de áreas selváticas destinadas a assentamentos rurais e dez milhões de hectares de reservas extrativistas (que podem ser explorados de forma sustentável por seus habitantes).

"São cerca de 30 milhões de hectares de floresta que podem ser explorados de forma sustentável e legal mediante o manejo florestal da madeira", estimou.

Com os contratos, os madeireiros podem explorar as áreas por 40 anos mediante planos aprovados pelo Governo que só permitem a poda anual de 3,33% da concessão para poder garantir a recuperação da selva.

A concessionária precisa fazer um inventário dos recursos da reserva e comprometer-se a não extrair mais de 25 metros cúbicos de madeira por hectare, a manter 10% das árvores de pé para que possam fornecer sementes e a não cortar espécies com menos de três exemplares por hectare.

Segundo Hummel, o cumprimento dessas condições é fiscalizado através de satélites por três organismos do Governo e por auditorias independentes.

"Nosso maior objetivo é contar com uma estratégia de uso sustentável da floresta a longo prazo que mantenha a selva de pé e gere renda e emprego para os habitantes da região, o que evita o desmatamento", indicou o diretor do SFB.

As concessões são uma alternativa para os madeireiros desde que em 2003 o Governo suspendeu as autorizações de poda na Amazônia e reforçou o combate às práticas ilegais, o que reduziu de 260 a 30 o número de serrarias em uma das regiões mais exploradas.

Fonte: Portal Terra
_____________________
Comentário:

Isso é ciência e é disso que precisamos na Amazônia...ciência.

Porem é apenas o primeiro passo, os estudos nao podem gerar artigos, teses e dissertações e depois ficarem esquecidos em uma gaveta gerando poeira, precisam ser aplicados, precisamos levar o conhecimento cientifico para a comunidade, como fazer isso? saindo dos escritórios e laboratorios...vamos a luta.

Saudações Geológicas
Professor Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil


segunda-feira, 4 de abril de 2011

EVENTO: PetroNor 2011 - III Conferência, Exposição e Encontro de Negócios do Setor de Petróleo do Norte e Nordeste do Brasil

 

III Conferência, Exposição e Encontro de Negócios do Setor de Petróleo do Norte e Nordeste do Brasil
14 e 15 de julho de 2011
Manaus | Amazonas | Brasil

“Petróleo na Amazônia: Desafios e Oportunidades de Negócio”

Apresentação

PetroNor é um evento internacional com foco no setor de petróleo e gás do Norte e Nordeste do Brasil, constituído de uma Conferência Técnica, uma Exposição e um Encontro de Negócios, organizado anualmente pelas Redes Petro do Norte/Nordeste do país com o patrocínio do SEBRAE e da PETROBRAS.
Na edição de 2011 o PetroNor será sediado em Manaus, capital do Estado do Amazonas, e estará dedicado aos desafios comuns e oportunidades de negócios nas bacias petrolíferas localizadas em regiões transfronteirizas do Amazonas. O evento cobre toda a cadeia produtiva, da exploração e produção ao refino e transporte, abordando também aspectos transversais tais como inovação e meio ambiente.

Conferência

Na conferência será apresentado o panorama atual de exploração e produção nas bacias petrolíferas dos países amazônicos, bem como as perspectivas de investimentos e as oportunidades reais de fornecimento de bens e serviços nessas mesmas bacias. Todas as apresentações serão realizadas por especialistas oriundos de cada um dos países envolvidos (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela). Outros assuntos, tais como incentivos fiscais, tecnologias inovadoras e conteúdo local serão abordados em painéis específicos.
A participação na conferência é aberta e gratuita.

Exposição

A exposição pretende mostrar produtos e serviços utilizados no setor petrolífero no Amazonas, especialmente aqueles projetos de inovação tecnológica bem sucedidos, desenvolvidos por empresas dos países da região amazônica. Serão disponibilizados estandes de 6 m², possibilitando a interação entre empresas, público especializado, instituições e estudantes.

Encontro de Negócios

Enfim, o Encontro de Negócios promoverá intercâmbios comerciais entre empresas compradoras oriundas dos países amazônicos e empresas fornecedoras do setor, tanto no segmento de exploração e produção quanto no de refino e transporte.
A participação no encontro de negócios é gratuita.

Inscrições

Público Alvo

  • Empresas concessionárias
  • Empresas fornecedoras de bens e serviços
  • Governo Federal e Estaduais
  • Associações de classe
  • Universidades, centros de pesquisa e FAPs
  • Estudantes

Data e Local

Data: 14 e 15 de julho de 2011
Local: Centro de Convenções Manaus Plaza
Av. Djalma Batista, 2100
Manaus | Amazonas | Brasil

Organização

Redes Petro de AL, AM, BA, CE, PE, RN e SE

Contato

  • Sra. Helena GarciaTelefone: (92) 2121 7317E-mail: helenagarcia@am.sebrae.com.br
  • Sra. Noira AuzierTelefone: (92) 2121 7318E-mail: noira.pereira@am.sebrae.com.br

Patrocínio

Convênio PETROBRAS-SEBRAE Amazonas

________________
Evento importante a ser realizado em Manaus, já me inscrevi, vamos la!!

Professor Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

 

WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL EM MANAUS - Prof. Elias Santos Junior

Em tempos de crise como a que estamos vivenciando nos últimos anos fica extremamente evidente que é necessário se reinventar, adquirir...