sexta-feira, 30 de abril de 2010

Acordo para "Copa Verde" em 2014

Arena da Amazonia a ser construida na Cidade de Manaus, uma das sedes da Copa 2014

Ministérios do Meio Ambiente e do Esporte criarão agenda sustentável para a competição

Os critérios ambientais é que balizarão os projetos e a gestão estratégica dos empreendimentos a serem construídos tanto para a Copa do Mundo de 2014 quanto para as Olimpíadas de 2016 no Brasil. Pelo menos é o que foi alinhavado ontem entre os ministros do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e do Esporte, Orlando Silva. Ambos assinaram um acordo de cooperação na abertura da reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).


A intenção é que a parceria facilite o licenciamento ambiental dos empreendimentos prioritários dos eventos esportivos para evitar impasses que possam atrasar as obras previstas no cronograma brasileiro. Segundo Izabella Teixeira, "o termo assinado hoje (ontem), além do ponto de vista político, é muito importante para a gestão ambiental, porque envolve os Estados e municípios em uma nova prática de modernização do licenciamento ambiental".


Fazem parte do grupo de trabalho representantes do MMA, Ministério do Esporte, Ibama, Instituto Chico Mendes (ICMBio), Agência Nacional de Águas, Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) e Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma). A ideia é aproveitar a paixão do brasileiro pelo futebol para estimular a participação dos torcedores a adotarem medidas de proteção ambiental no dia a dia.


Entre as questões a serem levadas em consideração, além do menor impacto ambiental, estão a neutralização das emissões de gases-estufa, a eficiência energética, a construção de estádios sustentáveis, e a promoção do consumo de produtos orgânicos durante a realização dos eventos. Além disso, em sedes dos jogos como Cuiabá (MT) e Manaus (AM), que têm o Pantanal e a Amazônia como diferencial, terão suas unidades de conservação melhor estruturadas para receber os turistas.

Fonte: http://eptv.globo.com/emissoras/emissoras_interna.aspx?297043
______________________________
Comentario:
Excelente iniciativa, porem nao apenas devemos licenciar as obras, mas principalmente a area fonte dos materiais a serem empregados na construcao, principalmente no Pantanal e Amazonia.

Ate agora em Manaus nao vimos o aumento dos licenciamentos ambientais o que me deixa apreensivo, tenho medo que aconteca como nos outros grandes empreendimentos onde pessoas benemeritas doaram materiais extraidos de suas propriedades para a contrucao, acreditam nisso? pois e, o que nao faltou foi termo de doacao nessas obras.

Geologo Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

terça-feira, 27 de abril de 2010

CICLO DAS ROCHAS

Atendendo a pedidos vou postar texto sobre o ciclo das rochas apresentado em sala de aula...

ROCHAS

A crosta terrestre é constituída essencialmente de rochas. São elas, juntamente com os fósseis, os elementos que o geólogo utiliza para decifrar os fenômenos geológicos atuais e do passado. A Petrografia ou Petrologia, ramo de ciência geológica, dedica-se ao estudo das rochas, da sua constituição, origem e classificação.

Rocha – é um agregado natural, formado de um ou mais minerais (podendo eventualmente tratar-se de vidro vulcânico), que constitui parte essencial da crosta terrestre e é nitidamente individualizado.
 
De acordo com sua origem, distinguem-se 3 grandes grupos de rochas que são:

Magmáticas ou ígneas; Sedimentares e Metamórficas.

O ciclo das rochas:

O ciclo das rochas representa as diversas possibilidades de transformação de um tipo de rocha em outro.



As setas que interligam as rochas ígneas, sedimentares e metamórficas indicam processos relacionados à dinâmica geológica da crosta terrestre.

As rochas, uma vez expostas à atmosfera e à biosfera passam a sofrer a ação do intemperismo, através de reações de oxidação, hidratação, solubilização, ataques por substâncias orgânicas, variações diárias e sazonais de temperatura, entre outras.

O intemperismo faz com que as rochas percam sua coesão, sendo erodidas, transportadas e depositadas em depressões onde, após a diagênese, passam a constituir as rochas sedimentares.

A cadeia de processos de formação de rochas sedimentares pode atuar sobre qualquer rocha (ígnea, metamórfica, sedimentar) exposta à superfície da Terra.
Os continentes se originaram ao longo do tempo geológico pela transferência de materiais menos densos do manto para a superfície terrestre.
 
Devido à deriva dos continentes, as rochas podem ser levadas a ambientes muito diferentes daqueles onde elas se formaram.

Qualquer tipo de rocha (ígnea, sedimentar, metamórfica) que sofra a ação de, por exemplo, altas pressões e temperaturas, sofre as transformações mineralógicas e texturais, tornando-se uma rocha metamórfica.

Se as condições de metamorfismo forem muito intensas, as rochas podem se fundir, gerando magmas que, ao se solidificar, darão origem a novas rochas ígneas.
 
O ciclo das rochas existe desde os primórdios da história geológica da Terra e, através dele, a crosta de nosso planeta está em constante transformação e evolução.
 
 
 



Outra representação do Ciclo das Rochas

Aquecimento global pode provocar terremotos, deslizamentos de terra e vulcões

Emitindo gases de efeito estufa e nuvens de cinzas que encobrem a luz solar, os vulcões podem afetar o clima. Mas será que o clima poder afetar os vulcões?

Leia materia completa em: http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/aquecimento_global_pode_provocar_terremotos_deslizamentos_de_terra_e_vulcoes.html

_____________
Comentario:
Preciso ler mais sobre o tema, mas parece plausivel....

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Aliens estão lá fora, diz Hawking

Stephen Hawking, dia 5 de abril de 2010 em palestra na Universidade Texas A & M, em College Station, Texas

26 de abril de 2010

LONDRES - O astrofísico britânico Stephen Hawking diz que estrangeiros estão lá fora, mas poderia ser muito perigoso para os humanos interagem com a vida extraterrestre.

Hawking, que estará visitando a Instituto Perimeter em Waterloo em 20 de junho, Afirma em um novo documentário que formas de vida alienígena inteligente certamente existem, mas adverte que se comunicar com eles poderia ser "muito arriscado".

Os 68 anos de idade, diz uma visita de extraterrestres à Terra seria como Cristóvão Colombo chegar nas Américas ", que não saíram muito bem para os nativos americanos."

Ele especula que a maioria de vida extraterrestre será semelhante à dos micróbios, ou pequenos animais - mas acrescenta formas de vida avançadas pode ser "nômades, buscando conquistar e colonizar."

O Discovery Channel anunciou no domingo que irá transmitir Stephen Hawking's Universe na Grã-Bretanha no próximo mês.

Associated Press
____________________
Comentario:

Senhores, acho o tema muito interessante, quem me conhece sabe bem isso, a traducao foi feita via google por isso tem algumas falhas que eu nao me dei o trabalho de corrigir, o original em ingles pode ser visto AQUI

Acho perfeitamente plausivel a vida extraterrestre, pois os elementos basicos estao espalhados no universo conhecido, sendo entao a teoria da Panspermia* possivel de ter ocorrido.
 
 
 
 

Livro Decifrando a Terra

Ola senhores, disponibilizo para download o livro Decifrando a Terra de autoria do Teixeira et al. Editora Oficina de Textos.

Esse livro tem capitulos muito bons, outros nem tanto, na minha opiniao eh claro, porem tem sido a principal referencia nos ultimos anos na area de Geociencias.

Destaco que muito melhor que o arquivo digital aqui disponibilizado eh ter o livro em maos, portanto, baixe-o, leia e em seguida compre o livro.

Abracos, Saudacoes Geologicas

Professor Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil



Download Livro Decifrando a Terra - parte 1
Download Livro Decifrando a Terra - parte 2

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Mineração no Pará chama atenção de empresários



Os novos investimentos no setor mineral paraense são tema de encontro promovido pelo Ibram em SP


Os novos rumos do setor mineral no Pará estão chamando atenção de empresários pelo Brasil. Em um encontro promovido pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) e pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), em São Paulo, nesta quinta-feira (22/04), foi apresentada à indústria de base nacional a política de fomento à mineração, metalurgia e siderurgia no desenvolvimento do Estado do Pará.

O encontro, previsto para cerca de 40 empresários, surpreendeu pela procura, com a inscrição de 115 representantes de empresas. A Ibram demonstrou que a indústria de base nacional está interessada em investir no Pará e, principalmente, conhecer as oportunidades de negócios com a venda de equipamentos e máquinas para os grandes empreendimentos em implantação no Pará na área da mineração. “O fato de termos um público tão maior que o esperado comprova o interesse que o Pará desperta como uma nova fronteira para o setor de máquinas e equipamentos no Brasil”, avalia o presidente do Ibram, Paulo Camillo Penna. “O momento é propício, com a realidade de que o Pará começará a produzir aço, o Estado tem todas as ferramentas necessárias para propiciar a criação de um pólo metal-mecânicono Pará”, conclui Camillo.

O secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Maurílio Monteiro, foi convidado para falar sobre a política de incentivos e fomento à indústria no Pará. Os empresários paulistas demonstraram que as oportunidades de negócios podem durar até depois do período de implantação dos projetos. O Pará tem potencial para ser um grande produtor de aço e, no futuro, pode fornecer essa matéria prima para as indústrias do Brasil produzirem suas máquinas e equipamentos.

Segundo Monteiro, “há um volume muito alto de recursos já garantidos para as mais diversas obras, como construção de siderúrgica, hidrelétrica, recuperação de estradas, portos e outras obras. O segundo cenário é que se está montando um pólo industrial em Marabá, em torno do aço da Alpa, e aí são inúmeras as oportunidades não apenas de vender ao Pará, mas produzir no Pará”, explica.


Para o presidente do Ibram, Paulo Camillo, o encontro serviu divulgar o novo momento do setor paraense e buscar parcerias para novos investimentos. “O setor está em crescimento. No Pará, por exemplo, a mineração empresarial está entre os setores que mais geram divisas e empregos nos municípios onde os projetos são implantados e nas áreas próximas. Além disso, esses projetos desenvolvem programas referenciais de preservação e conservação ambiental em harmonia com suas operações industriais”, afirma.


A iniciativa do Ibram e da Abimaq, entidades importantes do setor produtivo nacional, foi avaliada como positiva pelos empresários. “A busca pela industrialização é uma tarefa da sociedade brasileira. No Pará, fazemos esse esforço de desenvolvimento do parque industrial. Trocar experiências para conhecer e investir no Pará é nossa obrigação e temos a convicção de que conseguimos plantar a semente de um diálogo qualificado”, avalia Nelson Delduque, presidente do Conselho de Mineração e Metalurgia da Abimaq. As informações são do Instituto Brasileiro de Mineração.


__________________________
Comentario:

Enquanto isso no Estado do Amazonas nosso Governo cria Unidades de Conservacao em cima das jazidas minerais, parabens a Zona Fraca Verde que paga 50 reais para a familia nao desmatar...

Saudaçoes Geologicas
Prof. Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Roubo de agua da Amazonia



Tráfico da água da Amazônia foi denunciada pela revista jurídica “Conselux”,
citando uma empresa norueguesa
BRASÍLIA (Agência Amazônia) - A Câmara vai apurar as denúncias de tráfico de água doce dos rios da Amazônia. Decisão neste sentido foi tomada pela Comissão da Amazônia, Integração Nacional e Desenvolvimento Regional dois meses após a Agência Amazônia revelar que navios-tanques de várias nacionalidades estariam roubando águas de rios brasileiros.


A investigação foi pedida pelos deputados Lupércio Ramos (PMDB-AM) e Francisco Praciano (PT-AM). No requerimento pedem a realização de audiência com os ministérios do Meio Ambiente, da Defesa, e os diretores da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Polícia Federal.


O roubo de água dos rios da Amazônia foi denunciado na edição 310 da revista jurídica “Conselux” e repercutida por esta agência. Num texto sobre a Organização Mundial de Água e o mercado internacional de água, a revista afirma: “Navios-tanques estão retirando sorrateiramente água do Rio Amazonas”.


A publicação relata ainda que o comércio estaria tão avançado ao ponto de empresas internacionais, entre as quais a norueguesa Nordic Water Supply Co., terem desenvolvidos modernas tecnologias para a captação da água. A Nordic teria inclusive até firmado contratos de exportação de água a partir do emprego dessas técnicas para a Grécia, Oriente Médio, Madeira e Caribe.


Segundo a denúncia da revista, a captação geralmente é feita no ponto que o Rio Amazonas deságua no Oceano Atlântico. Os indícios são de que cada embarcação seja abastecida com 250 milhões de litros de água doce que, depois, seria engarrafada na Europa e no Oriente Médio. A “Consulex” explica que a procura pela água farta do Brasil ocorre por um motivo simples: o baixo custo de beneficiamento. Para tratar a água retirada os hidropiratas gastam US$ 0,80 em média para tirar a turbidez da água. A dessalinização das águas oceânicas sai por US$ 1,50 o metro cúbico.

Materia extraida de: http://www.acritica.com.br/ dia 15 de abril de 2010.
________________________________
Comentario:

Essa estória circula em Manaus já faz tempo, ouvi isso pela primeira vez em 2203 em uma palestra apresentada pela Dra. Luciana Valente (ex-secretaria da SEMMA) quando eu fazia Especialização em Gerenciamento e Planejamento de Águas na UFAM.



Ela citava que os navios que trazem os insumos da Europa, Ásia e EUA para serem manufaturados no Pólo Industrial de Manaus ao aportarem na cidade sempre trocavam seus latros, e que estes navios para retornarem aos seus portos de origem necessitavam reconstituir este lastro.


O fato é que realmente é comum observarmos na orla de Manaus vários navios com a quilha de fora, e todos sabem que sem o lastro esses navios não conseguiriam atravessar os oceanos em segurança.


A pergunta é: será que ao chegar ao Oriente Médio e outros destinos os navios jogam essas toneladas de água doce fora também? Com um barril de água valendo três de petróleo eu duvido muito...


Só nos cabe fiscalizar e cobrar providencias das autoridades competentes.

Em homenagem ao maior rio do mundo, posto abaixo a letra e video da musica Amazonas Moreno do Grupo Raizes Cablocas.
Saudações Geológicas

Prof. Elias Santos Junior
Manaus – Amazonas - Brasil

________________________
Amazonas Moreno - Grupo Raizes Cablocas
 
 
 


Amazonas moreno,

tuas águas sagradas
são lindas estradas
são contos de fadas
ó meu doce rio

A canoa que passa

O vôo da garça
as gaivotas cantando
em ti vão deixando
o gosto de amar

É o caboclo sonhando
que entoa remando
o seu triste penar.

Neste poema de bolhas
que ressoa nas folhas
da linda floresta
do meu rio mar

Neste poema de bolhas
que ressoa nas folhas
da linda floresta do meu rio mar
é o caboclo sonhando
que entoa remando
o seu triste penar
neste caudal tão bonito
que é o desejo infinito
de plantar meu grito
nas ondas do mar



quarta-feira, 14 de abril de 2010

Desastre anunciado: Ocupação de áreas inadequadas+desmatamento+chuva = acidente geológico



A tragédia no Rio de Janeiro poderia ter sido evitada?

Todo ano acontece a mesma coisa, começa a temporada de chuvas o Brasileiro fica com os nervos a flor da pele torcendo para que não ocorram deslizamentos e alagações.

É chegada à hora de tomarmos providencias, do Governo impedir a ocupação de áreas inadequadas, de remover as casas que se encontram em situação de risco geológico, porem lembrando que essa população necessita de cuidados especiais.

Fiquei boquiaberto em ver o despreparo dos Bombeiros e Defesa Civil do Rio de Janeiro ao atender a população que foi afetada pelos deslizamentos, claro que a culpa não é deles, pelo contrario, os vejo como heróis, pois arriscam suas vidas todos os dias sem os equipamentos necessários. Sabemos que eles trabalharam horas seguidas, em pontos diferentes do Estado. Sabemos que nao é facil lidar com a dor das pessoas, esses profissionais trabalhar sobre forte pressao.

Mas foi perturbador ver que os mesmo monitoravam a encosta a olho nu, enquanto seus companheiros escavavam mais abaixo receosos de um novo deslizamento, pergunto: onde estavam os teodolitos? A Defesa Civil não tem? Então por que não solicitaram os equipamentos das empresas de engenharia? Seria muito mais seguro...Imaginem o caos que seria  se a equipe tivesse sido soterrada no Morro do Bumba, se o comandante nao tivesse suspenso os trabalhos hora antes.

Eu gostaria de saber por que na grande maioria dos Estados a Defesa Civil e comandada pelos Bombeiros ou Policia Militar, provavelmente por que estes são mais preparados para situações de emergências...então por que não realizarmos trabalhos preventivos através de equipes multidisciplinares compostas por Geólogos, Engenheiros, Assistentes Sociais, Biólogos, Geógrafos e outros profissionais capacitados para combater as situações de riscos potenciais?

Em Manaus a situação não é diferente, todo ano nos meses de março a junho quando aumenta a quantidade de chuva a cidade sofre com as alagações, e infelizmente nossos governantes insistem em marchar na contra-mao das ações ambientais aterrando os igarapés, construindo casas sobre eles, depois não digam que foi obra do acaso.

Espero que com a ocorrência da Copa do Mundo de Futebol tenhamos uma cidade mais preparada para receber os convidados, e que o legado fique para as próximas gerações.

Bom, no link abaixo disponibilizo minha Dissertação de Mestrado cuja temática é relacionada a este assunto, espero que seja útil. O conhecimento só é valido se for difundido. So cite a referencia por favor.



Abraço a todos, e que Deus conforte os moradores do Rio de Janeiro

Saudações Geológicas

Prof. Elias Santos Junior
Manaus – Amazonas – Brasil

Aquífero descoberto no Norte do Brasil seria o maior do mundo

AE - Agência Estado

Pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) divulgarão oficialmente na semana que vem a descoberta do que afirmam ser o maior aquífero do mundo. A imensa reserva subterrânea sob os Estados do Pará, Amazonas e Amapá tem o nome provisório de Aquífero Alter do Chão - em referência à cidade de mesmo nome, centro turístico perto de Santarém.


"Temos estudos pontuais e vários dados coletados ao longo de mais de 30 anos que nos permitem dizer que se trata da maior reserva de água doce subterrânea do planeta. É maior em espessura que o Aquífero Guarani, considerado pela comunidade científica o maior do mundo", assegura Milton Matta, geólogo da UFPA. A capacidade do aquífero não foi estabelecida. Os dados preliminares indicam que ele possui uma área de 437,5 mil quilômetros quadrados e espessura média de 545 metros. "É menor em extensão, mas maior em espessura do que o Guarani."


Matta cita a porosidade da rocha em que a água está depositada como um dos indícios do potencial do reservatório. "A rocha é muito porosa, o que indica grande capacidade de reserva de água. Além do mais, a permeabilidade - a conexão entre os poros da rocha - também é grande."


Segundo ele, apesar de as dimensões da reserva não terem sido mapeadas, sai do aquífero a água que abastece 100% de Santarém e quase toda Manaus. "A vazão dos poços perfurados na região do aquífero é outro indício de que sua reserva é muito grande", afirma Matta.


Para o geólogo Ricardo Hirata, do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, a comparação com o Guarani é interessante como referência, mas complicada. "O Guarani é um aquífero extremamente importante para o Brasil e para a América Latina, mas não é o maior do mundo. Há pelo menos um aquífero, na Austrália, que é maior que o Guarani", contesta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Extraido de:
______________________
Comentario:
 
Realmente grande parte do abastecimento de agua na cidade de Manaus é feito atraves de captaçao a partir de poços tubulares, agora precisamos de mais dados para confirmar essas dimensoes.
 
Prof. Elias Santos Junior

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Cientistas descobrem na Etiópia insetos fossilizados em âmbar que ajudam a conhecer melhor ecossistemas de 95 milhões de anos atrás


Por redação da Agência FAPESP materia extraida daqui



Um grupo internacional de pesquisadores anunciou a descoberta de insetos mortos há cerca de 95 milhões de anos. Por terem sido preservados em âmbar, os insetos estão notadamente bem preservados.


Os cientistas também encontraram diversas espécies de plantas. Juntos, os fósseis ajudam a reconstruir a diversidade e a composição de ecossistemas do período Cretáceo. A descoberta será publicada esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).


O âmbar, resina fóssil produzida por árvores, tem grande importância paleontológica, uma vez que é capaz de preservar uma diversa gama de organismos e vestígios remanescentes de habitats pré-históricos.


Os cientistas encontraram âmbar contendo diversas espécies de aranhas, formigas, vespas e outros insetos. Os fósseis foram descobertos na região de Debre Libanos, no noroeste da Etiópia.


Foram encontrados 30 espécimes preservados em nove peças. Segundo os autores do estudo, os fósseis cobrem uma “diversidade impressiva”, que inclui as ordens Acari e Araneae de aracnídeos e pelo menos 13 famílias de Hexapoda (artrópodes com três pares de pernas), das ordens Collembola, Psocoptera, Hemiptera, Thysanoptera, Zoraptera, Lepidoptera, Coleoptera, Diptera e Hymenoptera.


Segundo os pesquisadores, os registros em âmbar são os mais antigos do tipo já encontrados e “constituem descobertas importantes para compreender melhor as origens temporais e geográficas dessas linhagens”.


“Junto com as inclusões microscópicas possíveis de serem observadas, os achados revelam as interações de plantas, fungos e artrópodes durante um período de grandes mudanças nos ecossistemas terrestres, que foram causadas pela propagação inicial das angiospermas”, destacaram.


O artigo Cretaceous African life captured in amber (doi/10.1073/pnas.1000948107), de Alexander Schmidt e outros, poderá ser lido em breve por assinantes da PNAS em www.pnas.org.
______________________________

Achados desse tipo permitem conhecermos mais o passado do planeta, principalmente sobre a evolução da vida e mudanças ambientais.

Prof. Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Eventos Tecnologia em Petroleo & Gas e Geografia - UNINORTE



EVENTO 01: MOSTRA FOTOGRÁFICA: METAMORFOSES DO LUGAR ABSOLUTO

DATA: DE 09 A 16 DE ABRIL DE 2010

LOCAL: HALL DA UNIDADE IX  - UNINORTE
Rua Leonardo Malcher 853 Centro

HORA: Das 14:00h ás 22:00

OBJETIVO: Apresentar ao público diversas visões do espaço geográfico, sob o olhar de alunos egressos e de alunos do curso de Geografia, numa perpectiva holística de ver as transformações no espaço da cidade.

Público alvo: LIVRE.




EVENTO 02: EXPOSIÇÃO DE TRABALHOS DO CURSO DE TECNOLOGIA EM PETRÓLEO E GÁS

DATA: DE 09 A 16 DE ABRIL DE 2010

LOCAL: HALL DA UNIDADE IX - UNINORTE
Rua Leonardo Malcher 853 Centro

HORA: Das 14:00 ás 22:00

OBJETIVO: Apresentar os trabalhos desenvolvidos por alunos do curso de Tecnologia em Petróleo e Gás sobre as bacias do Solimões e as áreas de atuação do Tecnólogo. Elaborados pelos acadêmicos do 3 periodo do Curso no turno Vespertino.

Público: LIVRE.



Organização dos Trabalhos em Petroleo e Gás: Prof. Msc.Elias Vicente da Cruz Santos Júnior.

Organização da Mostra Fotográfica: Prof. Msc Mauro Jeusy Vieira Bechman.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Americana encontra diamante de três quilates em parque estadual


Autoridades do Estado americano do Arkansas informaram que uma mulher de Pittsburgh, Pensilvânia, encontrou um diamante de mais de três quilates durante uma visita a um parque estadual.

De acordo com informações do Departamento de Parques e Turismo do Arkansas, Patti Kubli achou a pedra preciosa durante uma visita ao Parque Estadual Crater of Diamonds (Cratera de Diamantes, em tradução livre), na semana passada.


Kubli disse às autoridades que, depois de chegar ao parque junto com sua irmã, as duas começaram a procurar pedras em uma área destinada aos visitantes que queiram tentar encontrar diamantes no parque. Depois de cerca de meia hora, Kubli viu a pedra de 3,17 quilates, um diamante amarelo.


"Estava faiscando. Eu vi (a pedra) brilhando em cima da terra", disse. Kubli batizou a pedra de Diamante Dorie, em homenagem à sua mãe.


A ideia da visita foi do irmão de Kubli, que estudou geologia e descobriu a respeito do parque do Arkansas em uma pesquisa pela internet. Ele, no entanto, não viajou junto com as irmãs.


"Nossa, ele vai ficar mal", disse Kubli, de acordo com a página do Departamento de Parques e Turismo do Arkansas.


De acordo com Margi Jenks, que trabalha no parque estadual, o diamante encontrado por Kubli é de um "amarelo canário intenso, extremamente brilhante", do tamanho de um confeito, "sua forma lembra vagamente uma pêra".


"É um dos diamantes mais belos que já vi. Você pode enxergá-lo de longe. Fiquei muito impressionada", disse.


Descobertas diárias

Segundo Jenks são encontrados, em média, dois diamantes por dia no parque estadual. A pedra encontrada por Kubli foi a 108ª achada no parque apenas em 2010.


Este último diamante é o maior encontrado no parque desde a descoberta de uma pedra de 3,02 quilates em novembro de 2009. Em abril de 2009, um outro diamante, de 5,75 quilates e batizado de Cavaleiro Árabe, foi encontrado no parque.


O Parque Estadual Crater of Diamonds é o único parque do mundo com uma mina de diamantes aberta ao público e os funcionários reviram a terra periodicamente para trazer os diamantes e outras pedras preciosas para a superfície.


Os diamantes mais comuns encontrados no local são os brancos, marrons e amarelos. Além de diamantes, já foram encontradas ametistas, ágatas e cristais de quartzo no local.


Os visitantes podem ficar com as pedras que encontrem na área do parque, que tem mais de 150 mil metros quadrados.


O parque fornece identificação e certificados grátis para as pedras encontradas pelos visitantes.


Mais de 75 mil diamantes foram encontrados no parque do Estado do Arkansas desde a primeira descoberta, registrada em 1906.

_______________
Professor Elias Santos Junior
Manaus, Amazonas, Brasil

Saudades...

A musica tem o poder de nos fazer viajar....
Saudades do meu irmao Erick
Ele sempre ouvia essa musica, que eu escutava de longe reclamando...
Somente anos apos a partida dele, procurei em meio as dezenas de cds para saber que grupo era esse...

Espantalho - Amanhecer Dirigindo



Prof. Elias Santos Junior
Manaus, Amazonas, Brasil

WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL EM MANAUS - Prof. Elias Santos Junior

Em tempos de crise como a que estamos vivenciando nos últimos anos fica extremamente evidente que é necessário se reinventar, adquirir...