sexta-feira, 30 de maio de 2008

Você pode ser um geólogo se... - Homenagem ao Dia do Geólogo (30/05)

Você pode ser um geólogo se...

- pronunciar corretamente a palavra “molibdenita” na primeira tentativa;

- achar que cortes de estrada são atrações turísticas;

- possuir mais amostras de quartzo do que cuecas;- associar o termo “duro” a um valor na escala de Mohs, no lugar de outro significado;

- a pilha de rochas na sua garagem é mais alta do que Você;

- o professor de petrografia da universidade local pedir permissão para fazer uma excursão de campo na sua área de serviço;

- Você coloca ametista para enfeitar o aquário;

- sua mulher freqüentemente tem que remover amostras do box para poder tomar banho;

- o seu tradutor eletrônico tem palavras como polymorph? ou pseudomorph?;

- seus filhos chamam-se Rochinha, Prásio e Berilo;

- Você fica junto da parede da catedral durante a missa e, de vez em quando, saca a lupa do bolso para dar uma olhadinha nos cristais;

- Você fica nervoso pelo simples fato das lâmpadas de suas estantes não mostrarem o espectro completo;

- Você sempre compra qualquer amostra que encontra nos camelôs, sem ao menos pechinchar;

- Você não se importa de gastar mais de 30 reais com um livro sobre rochas;

- Você só dirige olhando pro meio-fio, tentando identificar a composição do granito (ou não seria um granodiorito??);

- Você sabe a localização de qualquer afloramento num raio de 100 km da sua casa;

- Você se aposentou mas ainda pensa em construir mais um quartinho no quintal;

- pra Você uma noite calma e romântica em casa significa limpar e guardar suas amostras favoritas no fundo do armário;

- Você está pensando em levar a bússola e o martelo nas próximas férias;

- Você consegue apontar com facilidade onde a Serra do Taiano localiza-se no globo terrestre;

sábado, 17 de maio de 2008

Permacultura - Tecnica de Desenvolvimento Sustentavel

Texto de Sergio Pamplona extraido de http://www.permear.org.br/2006/07/14/o-que-e-permacultura/

Permacultura é algo fácil de identificar com um monte de desejos pessoais profundos entre aquelas pessoas que sonham com paz, harmonia e abundância. Mas leva-se muito tempo para entender. Não se sinta desencorajado o leitor que está ansioso por conhecer a Permacultura ou aquele que julgava tê-la compreendido: os conceitos estão dados e são até bastante claros. A verdade é que as coisas mais importantes da vida exigem tempo e dedicação, tanto mais quando representam quebras de paradigmas.

Assumir para nossas vidas aquilo que é radicalmente novo não é tarefa fácil – no mais das vezes enfrentamos nossos próprios limites de compreensão e aceitação. Por isso, é preciso coragem, fé e determinação para tornar-se um permacultor. E tomar o tempo como aliado.Nas palavras de Bill Mollison de que mais gosto, a Permacultura é “uma tentativa de se criar um Jardim do Éden”, bolando e organizando a vida de forma a que ela seja abundante para todos, sem prejuízo para o meio ambiente. Parece utópico, mas nós praticantes sabemos que é algo possível e para o qual existem princípios, métodos e estratégias bastante factíveis. Os exemplos estão aí, para quem quiser ver, nos cinco continentes e em mais de uma centena de países.

Conceitos: Os australianos Bill Mollison e David Holmgren, criadores da Permacultura, cunharam esta palavra nos anos 70 para referenciar “um sistema evolutivo integrado de espécies vegetais e animais perenes úteis ao homem”. Estavam buscando os princípios de uma Agricultura Permanente. Logo depois, o conceito evoluiu para “um sistema de planejamento para a criação de ambientes humanos sustentáveis” , como resultado de um salto na busca de uma Cultura Permanente, envolvendo aspectos éticos, socioeconômicos e ambientais.

Para tornar o conceito mais claro, pode-se acrescentar que a Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. Alimento saudável, habitação e energia devem ser providos de forma sustentável para criar culturas permanentes.

No centro da atividade do permacultor está o design, tomado como planejamento consciente para tornar possível, entre outras coisas, a utilização da terra sem desperdício ou poluição, a restauração de paisagens degradadas e o consumo mínimo de energia. Este processo, segundo André Soares, permacultor do Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado – IPEC, deve ser dinâmico, contínuo e orientado para a aplicação de padrões naturais, contendo sub-processos de organização de elementos dentro de determinados contextos.

No primeiro nível, a ação do permacultor volta-se principalmente para áreas agrícolas com o propósito de reverter situações dramáticas de degradação sócio-ambiental. “Culturas não sobrevivem muito tempo sem uma agricultura sustentável”, assegura Bill Mollison. No entanto, os sistemas permaculturais devem evoluir, com designs arrojados, para a construção de sociedades economicamente viáveis, socialmente justas, culturalmente sensíveis, dotadas de agroecossistemas que sejam produtivos e conservadores de recursos naturais.

Cooperação e solidariedade: A Permacultura exige uma mudança de atitude que consiste basicamente em fazer os seres humanos viver de forma integrada ao meio ambiente, alimentando os ciclos vitais da natureza. Como ciência ambiental, reconhece os próprios limites e por isso nasceu amparada por uma ética fundadora de ações comuns para o bem do sistema Terra.

Mollison e Holmgren buscaram princípios éticos universais surgidos no seio de sociedades indígenas e de tradições espirituais, que estão orientados na lógica básica do universo de cooperação e solidariedade. Não é possível praticar a Permacultura sem observá-los.

Primeiro, será preciso assumir a ética do cuidado com a Mãe-Terra para garantir a manutenção e a multiplicação dos sistemas vivos. Depois, o cuidado com as pessoas para a promoção da autoconfiança e da responsabilidade comunitária. E por fim, aprender a governar nossas próprias necessidades, impor limites ao consumo e repartir o excedente para facilitar o acesso de todos aos recursos necessários à sobrevivência, preservando-os para as gerações futuras.

Como parte dos sistemas vivos da Terra e tendo desenvolvido o potencial para desfazer a sustentabilidade do planeta, nós temos como missão criar agora uma sociedade de justiça, igualdade e fraternidade, a começar pelos marginalizados e excluídos, com relações mais benevolentes e sinergéticas com a natureza e de maior colaboração entre os vários povos, culturas e religiões.

Toda ética tem a ver com práticas que querem ser eficazes. “A ética da Permacultura serve bem para iluminar nossos esforços diários de trabalho com a natureza a partir de observações prolongadas e cuidadosas, com base nos saberes tradicionais e na ciência moderna, substituindo ações impensadas e imaturas por planejamento consciente”, assevera Bill Mollison. A chave é estabelecer relações harmoniosas entre as pessoas e os elementos da paisagem.


Em manaus conheça o Instituto de Permacultura da Amazônia
http://www.ipapermacultura.org/

quarta-feira, 14 de maio de 2008

A sua casa vem da geologia e da mineração

Sempre que falamos da importancia da geologia em nossas aulas costumamos dizer que a vida depende das condições geológicas, é claro que isso sempre gera polêmica...e essa é a intenção, chamar os academicos à seguinte reflexão: A mineração é boa ou ruim?
Segue abaixo um exemplo extraído (adoro essa palavra, me lembra mineração hehehehe) do site da MINEROPAR.


Importância dos recursos minerais

Os bens minerais têm uma importância significativa para a sociedade, a tal ponto que as fases de evolução da humanidade são divididas em função dos tipos de minerais utilizados: idades da pedra, do bronze, do ferro, etc. Nenhuma civilização pode prescindir do uso dos bens minerais, principalmente quando se pensa em qualidade de vida, uma vez que as necessidades básicas do ser humano - alimentação, moradia e vestuário - são atendidas essencialmente por estes recursos. Uma pessoa consome direta ou indiretamente cerca de 10 toneladas/ano de produtos do reino mineral, abrangendo 350 espécies minerais distintas. A construção de uma residência é um exemplo desta diversidade.

Sua casa vem da mineração


Elemento construtivo Principais substâncias minerais utilizadas

  • tijolo: Argila
  • bloco : areia, brita, calcário
  • fiação elétrica: cobre, petróleo
  • lâmpada: quartzo, tungstênio, alumínio
  • fundações de concreto: areia, brita, calcário, ferro
  • ferragens: ferro, alumínio, cobre, zinco, níquel
  • vidro: areia, calcário, feldspato
  • louça sanitária: caulim, calcário, feldspato, talco
  • azulejo: caulim, calcário, feldspato, talco
  • piso cerâmico: argila, caulim, calcário, feldspato, talco
  • isolante - lã de vidro: quartzo e feldspato
  • isolante - agregado: mica
  • pintura - tinta: calcário, talco, caulim, titânio, óxidos metálicos
  • caixa de água: calcário, argila, gipsita, amianto, petróleo
  • impermeabilizante - betume: folhelho pirobetuminoso, petróleo
  • pias: mármore, granito, ferro, níquel, cobalto
  • encanamento metálico: ferro ou cobre
  • encanamento PVC: petróleo, calcita
  • forro de gesso: gipsita
  • esquadrias: alumínio ou ligas de ferro-manganês
  • piso pedra: ardósia, granito, mármore
  • calha: ligas de zinco-níquel-cobre ou fibro-amianto
  • telha cerâmica: argila
  • telha fibro-amianto: calcário, argila, gipsita, amianto
  • pregos e parafusos: ferro, níquel

O texto completo pode ser obtido em http://www.mineropar.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=28



REFLEXÃO: A LIÇÃO DA ÁGUIA



A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver 70 anos.

Mas para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.Aos 40 anos ela está com:

- As unhas compridas e flexíveis, não conseguem mais agarrar as suas presas das quais se alimenta. - O bico alongado e pontiagudo se curva. - Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil!

Então, a águia só tem duas alternativas:

- Morrer - Ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.

Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.

Assim é a nossa vida. Muitas vezes temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor.

Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma auto-renovação sempre traz.

Existem momentos em que devemos fazer escolhas e tomar decisões para que possamos continuar.



Afinal, tudo é uma questão de A T I T U D E

Paulo Eustáquio
Tutor AE-SEBRAE
_________________________________________
Seja águia e não galinha!

Saudações Geológicas
Prof. Elias Santos Junior
Manaus - Amazônia - Brasil  
 

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Dá para viver mais devagar?

Esse email me foi enviado pelo Geólogo Fabio Fernandes - Amazongeo Geologia e Meio Ambiente ja tem algum tempo, nao sei a autoria do texto porem acho oportuno divulgá-lo hj 1 de maio, dia do trabalhador.

Já vai pra 18 anos que estou aqui na Volvo, uma empresa sueca. Trabalhar com eles é uma convivência, no mínimo, interessante. Qualquer projeto aqui demora dois anos para se concretizar, mesmo que a idéia seja brilhante e simples. É regra. Então, nos processos globais, causa em nós aflitos por resultados imediatos (brasileiros, americanos, australianos, asiáticos) uma ansiedade generalizada, porém, nosso senso de urgência não surte qualquer efeito neste prazo.

Os suecos discutem, discutem, fazem "N" reuniões, ponderações... E trabalham num esquema bem mais "slow down" (desacelerado). O pior é constatar que, no final, acaba sempre dando certo no tempo deles com a maturidade da tecnologia e da necessidade: bem pouco se perde aqui... E vejo assim:

  1. 1. O país é do tamanho de São Paulo;
  2. 2. O país tem 2 milhões de habitantes;
  3. 3. Sua maior cidade, Estocolmo, tem 500.000 habitantes (compare com Curitiba onde somos 2 milhões);
  4. 4. Empresas de capital sueco: Volvo, Scania, Ericsson, Electrolux, ABB, Nokia, Nobel Biocare...
Nada mal, não? Pra ter uma idéia, a Volvo fabrica os motores propulsores para os foguetes da NASA.

Digo para os demais nestes nossos grupos globais: os suecos podem estar errados, mas são eles que pagam nossos salários. Entretanto, vale salientar que não conheço um povo, como povo mesmo, que tenha mais cultura coletiva do que eles... Vou contar para vocês uma breve só pra dar noção... A primeira vez que fui para lá, em 90, um dos colegas suecos me pegava no hotel toda manhã. Era setembro, frio leve e nevasca.

Chegávamos cedo na Volvo e ele estacionava o carro bem longe da porta de entrada (são 2.000 funcionários de carro).

No primeiro dia não disse nada, no segundo, no terceiro... Depois, com um pouco mais de intimidade, numa manhã perguntei: "Vocês têm lugar demarcado para estacionar aqui? Notei que chegamos cedo, o estacionamento vazio e você deixa o carro lá no final..." e ele me respondeu simples assim: "é que chegamos cedo, então temos tempo de caminhar – quem chegar mais tarde já vai estar atrasado, melhor que fique mais perto da porta. Vc não acha?"

Olha a minha cara! Ainda bem que tive esta na primeira... Deu pra rever bastante os meus conceitos..

M C M Volvo IT South America Slow x Fast

Há um grande movimento na Europa hoje, chamado Slow Food. A Slow Food International Association - cujo símbolo é um caracol -, tem sua base na Itália (o site é muito interessante. Veja. O que o movimento Slow Food prega é que as pessoas devem comer e beber devagar, saboreando os alimentos, "curtindo" seu preparo, no convívio com a família, com amigos, sem pressa e com qualidade. A idéia é a de se contrapor ao espírito do Fast Food e o que ele representa como estilo de vida. A surpresa, porém, é que esse movimento do Slow Food está servindo de base para um movimento mais amplo chamado Slow Europe como salientou a revista Business Week em sua última edição européia.

A base de tudo está no questionamento da "pressa" e da "loucura" gerada pela globalização, pelo apelo à "quantidade do ter" em contraposição à qualidade de vida ou à "qualidade do ser". Segundo a Business Week, os trabalhadores franceses, embora trabalhem menos horas, (35 horas/semana) são mais produtivos que seus colegas americanos ou ingleses.

E os alemães, que em muitas empresas instituíram uma semana de 28,8 horas de trabalho, viram sua produtividade crescer nada menos que 20%. Essa chamada "slow attitude" está chamando a atenção até dos americanos, apologistas do "Fast" (rápido) e do "Do it Now" (faça já).

Portanto, essa "atitude sem-pressa" não significa fazer menos, nem menor produtividade. Significa, sim, fazer as coisas e trabalhar com mais "qualidade" e "produtividade" com maior perfeição, atenção aos detalhes e com menos estresse. Significa retomar os valores da família, dos amigos, do tempo livre, do lazer e das pequenas comunidades. Do "local", presente e concreto, em contraposição ao "global" - indefinido e anônimo. Significa a retomada dos valores essenciais do ser humano, dos pequenos prazeres do cotidiano, da simplicidade de viver e conviver e até da religião e da fé. Significa um ambiente de trabalho menos coercitivo, mais alegre, mais "leve" e, portanto, mais produtivo, onde seres humanos felizes fazem, com prazer, o que sabem fazer de melhor.

Nesta semana, gostaria que você pensasse um pouco sobre isso. Será que os velhos ditados "Devagar se vai ao longe" ou ainda "A pressa é inimiga da perfeição" não merecem novamente nossa atenção nestes tempos de desenfreada loucura? Será que nossas empresas não deveriam também pensar em programas sérios de "qualidade sem-pressa" até para aumentar a produtividade e qualidade de nossos produtos e serviços sem a necessária perda da "qualidade do ser"?

No filme "Perfume de Mulher", há uma cena inesquecível, em que um personagem cego (vivido por Al Pacino) tira uma moça para dançar e ela responde: "Não posso, porque meu noivo vai chegar em poucos minutos." "Mas em um momento se vive uma vida" - responde ele, conduzindo-a num passo de tango. E esta pequena cena é o momento mais bonito do filme.

Algumas pessoas vivem correndo atrás do tempo, mas parece que só alcançam quando morrem enfartados, ou algo assim. Para outros, o tempo demora a passar; ficam ansiosos com o futuro e se esquecem de viver o presente, que é o único tempo que existe. Tempo todo mundo tem por igual. Ninguém tem mais nem menos que 24 horas por dia. A diferença é o que cada um faz do seu tempo. Precisamos saber aproveitar cada momento, porque, como disse John Lennon: "A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro".

*** Comentario do professor
Passamos anos buscando qualificação, melhores salarios, buscando o lugar no mercado, competindo com nossos pares no ambiente de trabalho...Lendo esse texto me questiono: Vale a Pena?

Hoje penso que é mais interessante viver mais devagar, assistir meu filho crescer é mais importante que ganhar novos clientes, ganho menos que a maioria dos meu colegas, contudo, trabalho menos que eles...e isso me deixa muito feliz!



Musica interpretada pela Cidalia Castro e narração de Pedro Bial

Aos que passam por aqui eu deixo como conselho: Divirtam-se...

Prof. Elias Santos Junior
Manaus - Amazonas - Brasil




 

WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL EM MANAUS - Prof. Elias Santos Junior

Em tempos de crise como a que estamos vivenciando nos últimos anos fica extremamente evidente que é necessário se reinventar, adquirir...